Emoções, alimentação e comportamentos no novo livro de Daniela Ricardo

Um prato equilibrado, deve ser confeccionado com muito amor e estar dividido da seguinte forma: 50% de vegetais, 25% de cereais integrais, 20% de proteína, preferencialmente vegetal, e 5% de criatividade e condimentos que tornam a alimentação e a vida mais apetitosa”, escreve Daniela Ricardo no livro Cozinha das Emoções, publicado há poucas semanas.

A partir deste conselho, que aparece nas páginas iniciais do livro, a autora propõe uma abordagem pouco comum à cozinha e ao papel dos alimentos no bem-estar físico, mental e espiritual.

A alimentação para mim é tudo, ou tudo é alimentação”, lê-se. “Quando compreendemos que habitamos pelo menos quatro corpos em simultâneo — o físico, o mental, o emocional e o espiritual —, percebemos que existem várias formas de nos alimentarmos. E que a forma de alimentar um desses nossos corpos vai influenciar todos os outros e vice-versa.” Mais à frente, Daniela Ricardo sublinha: “O que pretendo mostrar com este livro é que a relação entre as nossas emoções, a alimentação, os nossos comportamentos, o nosso corpo e os ciclos de vida estão intimamente ligados”.

Chef de cozinha, professora e consultora de alimentação consciente e natural, Daniela Ricardo é licenciada em enfermagem e trabalhou como enfermeira no Instituto Português de Oncologia do Porto, ao longo de duas décadas. É também terapeuta de shiatsu e estudou no Instituto Macrobiótico de Portugal.

Cozinha das Emoções, de Daniela Ricardo, é editado pela Chá das Cinco/Saída de Emergência

A linguagem do livro está, por isso, mais próxima da filosofia, mas num tom simples e directo. Não deixa de incluir uma vertente prática, aliás, uma grande componente prática. A partir da página 78 (são 330 páginas, ao todo), a autora apresenta receitas de cozinha à base de vegetais e cereais, com imagens muito coloridas e sugestivas, além de alguns “remédios caseiros” de inspiração oriental, provavelmente pouco conhecidos da maioria dos portugueses. Tortilha de lentilhas, waffles de milho, empadão de tofu, crumble de maçã, risotto de cogumelos, sopa de feijão frade, etc., etc.

Algumas receitas são simples, outras mais elaboradas, e todas estão organizadas em torno de “cinco emoções básicas” e “energias”: árvore, fogo, solo, metal e água. Isto é, as “cinco transformações” ou a “teoria dos cinco elementos”, explica a autora, com base na filosofia oriental yin e yang.

Existe alguma confusão entre emoção e sentimento. Muitas vezes são confundidos e são considerados sinónimos, mas não o são na realidade, apesar de ambos estarem relacionados”, lê-se. “As emoções são reflexos naturais diante de acontecimentos, são uma resposta física ou química comandada pelo cérebro humano. Os sentimentos, são uma consequência das emoções e são sentidos por cada pessoa de acordo com a sua experiência, personalidade, cultura e criação.”

Cozinha das Emoções inclui muita informação esquemática, alguns gráficos e tabelas, que permitem uma consulta rápida. Está escrito na primeira pessoa, parte da experiência pessoal e de casos conhecidos da autora. O “processo de mudança de hábitos para uma alimentação mais consciente e natural deve ser acompanhado de outros elementos de mudança”, como o exercício físico, porque “apenas ‘comer bem’ não vai fazer milagres”, nota Daniela Ricardo.

Fotografia principal: Pxhere/CC

%d bloggers like this: